Coronavírus - Proteção e informação em casa! Mantenha-se atualizado. CLIQUE AQUI!

Notícias

Imagem

Estimulação cognitiva para idosos: como funciona e para que serve

O envelhecimento da população é um fenômeno mundial, fruto de inúmeros avanços, sociais, tecnológicos e científicos. Este processo engloba mudanças morfofisiológicas, psicológicas e socioculturais que afetam significativamente as áreas cognitivas do cérebro, influenciando diretamente assim, na autonomia e na rotina dos idosos.

Idosos “mais idosos”

Além do envelhecimento populacional após os 60 anos, observa-se também, uma expansão de idosos mais idosos, ou seja, pessoas acima dos 80 anos, o que nos mostra uma nova realidade. Com o passar dos anos, em geral, há uma diminuição das funções cognitivas nos idosos, incluindo dificuldades de memorização e atenção, diminuição da velocidade de processamento da informação e de resolução de problemas. No que diz respeito à área cognitiva, o declínio cognitivo ocorre como um aspecto normal do envelhecimento.

Funções cognitivas

Quando pensamos em cognição, nos vem a cabeça apenas a palavra “memória”. Entretanto, existem diversas outras funções do nosso cérebro que devem ser estimuladas a fim de manter uma boa saúde mental, são algumas delas:

  • memória
  • atenção
  • linguagem
  • percepção
  • funções executivas

Um bom convívio social e relações interpessoais saudáveis, influenciam diretamente no estilo de vida de cada indivíduo, servindo como fatores de cuidado no declínio cognitivo. Aspectos como atividades físicas, encontro com amigos, cultura, lazer e bom convívio familiar podem funcionar como proteção às funções cognitivas do idoso.

Oficina de Memória

Estudos realizados evidenciam que o cérebro humano, mesmo nos idosos, pode sofrer modificações e são passíveis de serem ativados através de estímulos externos, comprovando que, intervenções cognitivas podem e devem ser aplicadas em qualquer fase do desenvolvimento humano. Estas intervenções, tem como principais objetivos:

  • dar autonomia ao idoso
  • aumentar sua qualidade de vida
  • conservar ao máximo as funções cognitivas
  • diminuir a ansiedade causada pelas perdas
  • aumentar a autoestima.

Fonte: Vivere Bene

Categorias:

Comente esta notícia

código captcha