Coronavírus - Proteção e informação em casa! Mantenha-se atualizado. CLIQUE AQUI!

Notícias

Imagem

Fenafisco apresenta propostas de reforma tributária em reunião do Fórum dos Dirigentes

Durante reunião realizada pelo Sindicato Nacional dos Técnicos de Nível Superior Instituições Federais de Ensino – ATENS, na sexta-feira (21), o presidente da Fenafisco, Charles Alcantara, avaliou como insuficiente a proposta de reforma tributária apresentada pelo Executivo, que prevê a unificação do PIS/Pasep e Cofins na forma da Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS).

De acordo com o auditor-fiscal, as propostas de reforma tributária que estão em debate na grande mídia são insuficientes, porque não corrigem as anomalias do sistema. Elas buscam, apenas, a simplificação e podem inviabilizar o Estado Social, estabelecido pela Constituição de 1988, que é, atualmente, o principal mecanismo de redução da desigualdade da renda no Brasil”, disse.

“É falsa a premissa de que o Brasil tem a maior carga tributária do mundo. A verdade é que o país tem uma das mais altas cargas tributárias no consumo.”, disse. Os projetos hegemônicos de reforma tributária que tramitam no Congresso Nacional além de insuficientes e socialmente injustos, são omissos quanto à tributação da renda e da riqueza, não fortalecem financeiramente o Estado para que cumpra o papel exigido dele”, disse.

Segundo Alcantara, a simplificação dos tributos da forma como tem sido discutida, está longe de representar a solução ideal, sobretudo por fragilizar drasticamente as bases de financiamento de políticas sociais.

TRIBUTAÇÃO DIRETA

Para o dirigente sindical, a reforma tributária deve avançar no sentido de promover a progressividade, pela desoneração do consumo, e ampliação da tributação sobre a renda das camadas mais ricas da população.

“Não existe Estado de bem-estar social sem um sistema tributário progressivo, associado aos princípios da igualdade tributária ( art. 150 CF) e da capacidade contributiva (art. 145, § 1º CF). Não se pode tributar, sem considerar a capacidade econômica das pessoas”, afirmou.

Os estudos que consolidaram a proposta Reforma Tributária Solidária, capitaneada pela Fenafisco e Anfip, evidenciam que o caráter regressivo do nosso sistema decorre da reduzida tributação incidente sobre a renda e patrimônio na carga tributária nacional, e elevada tributação sobre o consumo, o que fazem do sistema tributário brasileiro um instrumento de agravamento das desigualdades econômicas e sociais.

MEDIDAS

Na oportunidade Alcantara explicou ser tecnicamente possível fazer com que o Brasil tenha um sistema tributário justo e apresentou uma síntese das oito propostas de leis tributárias, elencadas no documento : “Tributar os super-ricos para reconstruir o país”, construídas pela Fenafisco, em conjunto com a Anfip, delegacias Sindicais do Sindifisco Nacional, Instituto de Justiça Fiscais e o coletivo: Auditores Fiscais pela Democracia.

As medidas visam isentar os mais pobres e as pequenas empresas, fortalecer estados e municípios, podendo gerar um acréscimo na arrecadação estimado em R$ 292 bilhões, incidindo apenas sobre as altas rendas e o grande patrimônio, onerando apenas os 0,3% mais ricos.

Estima-se que as medidas possam gerar recursos adicionais da ordem de R$291,8 bilhões por ano. O documento aponta que maior parte desse acréscimo de receitas virá do tratamento isonômico na tributação das rendas e da maior progressividade do IRPF (R$158 bilhões), seguida pelo Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) (R$40 bilhões).

A ampliação da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) de setores econômicos com alta rentabilidade pode turbinar os cofres públicos em R$40,5 bilhões, e criação da Contribuição Social sobre Altas Rendas mais R$35 bilhões

O documento também aponta que mudanças nas regras do ITCMD podem render R$14 bilhões e o fim da dedução dos juros sobre o capital próprio, mais R$5 bilhões.

Tributar os super-ricos para reconstruir o país está em sintonia com a Emenda Substitutiva Global à PEC 45/2019 (EMC 178/2019) que tramita no Congresso Nacional, por iniciativa das bancadas dos partidos da oposição na Câmara dos Deputados, a qual contou com mais de 200 assinaturas de parlamentares, de diversos partidos – e proposição legislativa inspirada nos dois estudos técnicos que constituem a formulação teórica do projeto de Reforma Tributária Solidária, Justa e Sustentável.

O ex-presidente do Sindafep-PR e presidente da Pública Central do Servidor – Paraná, Wanderci Polaquini, observou que o problema fiscal do país depende de uma reforma estruturante.

“Países desenvolvidos têm maior carga tributária para fortalecer o serviço público e desenvolver políticas públicas de qualidade para a sociedade. Temos que analisar a reforma tributária em vários aspectos. O foco da proposta do governo é simplificar para o contribuinte, mas sem alterar a distribuição da carga tributária na renda e patrimônio, o que não resolve o problema, que é a regressividade.”

Fonte: Fenafisco

Categorias:

Comente esta notícia

código captcha