Chegou um novo benefício para você SINDAFEP Seguros - Conheça todas as vantagens. Faça já sua cotação.

Notícias

Imagem

4 razões que vão te motivar a manter o peso ideal

Controlar o peso não está relacionado a padrões de beleza, mas, sim, a viver com mais saúde e bem-estar! Veja os benefícios de se manter no peso ideal
 
Você sabe se está no melhor peso para você? Isso mesmo, o peso que é considerado adequado para você - para seu biotipo, idade, sexo e momento de vida - não aquele de pessoas que estampam capas de revistas ou algumas páginas das redes sociais. Controlar o peso e buscar esse equilíbrio individual traz uma série de benefícios, que vão de mais bem-estar e disposição no dia a dia à diminuição do risco de diversas doenças.
 
Entretanto, o número de pessoas com sobrepeso segue crescendo. Em 2025, a estimativa, de acordo com o Mapa da Obesidade, é de que 2,3 bilhões de adultos ao redor do mundo estejam acima do peso, sendo 700 milhões de indivíduos com obesidade de fato. No Brasil, os casos aumentaram 67,8% em treze anos, saindo de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018.
 
A obesidade é considerada uma doença crônica e, de forma simples, é o acúmulo excessivo de gordura em toda a extensão corporal. O grau de excesso de gordura, a distribuição pelo corpo e os riscos para a saúde variam de pessoa para pessoa. Ela também é multifatorial, ou seja, suas causas ainda incluem genética, questões sociais e econômicas, estilo de vida e estado emocional.
 
Como lembra a Organização Mundial da Saúde (OMS), estar acima do peso é um grave problema, pois a obesidade é apontada como porta de entrada para diversas outras doenças. Pensando nisso, vale a pena rever alguns hábitos alimentares, o estilo de vida e buscar o controle do peso e uma vida mais saudável.
 
Razões para manter o peso saudável
 
Quer um pouco de motivação nessa jornada? Veja essa lista de benefícios do controle de peso para sua saúde.
 
1. Menor risco de uma série de doenças crônicas
 
Quem está com sobrepeso pode sofrer com aumento da pressão arterial, dos níveis de colesterol e triglicerídeos sanguíneos e da resistência à insulina. Com isso, a obesidade acaba sendo fator de risco para doenças crônicas como diabetes e hipertensão, além de também estar relacionada com mais chances de desenvolvimento de câncer. Ou seja, se manter dentro do peso adequado e saudável te afasta dessa série de riscos.
 
2. Mais disposição
 
O excesso de peso também é responsável por dores nas costas, nos quadris, nos joelhos e nas articulações por causa da sobrecarga. Controlando o peso, muitas dessas dores e incômodos tendem a diminuir, melhorando a movimentação da pessoa, favorecendo a prática de atividades físicas e trazendo mais disposição.
 
3. Ajudinha para a respiração
 
Respirar bem é praticamente sinônimo de se sentir bem! A ciência já mostrou também uma relação da obesidade com problemas no sistema respiratório, como afecções pulmonares e apneia obstrutiva do sono.
 
Para respirar bem, é preciso que todas as partes do sistema respiratório estejam em pleno funcionamento, porém, sabemos que os obesos têm, por exemplo, a mobilidade do diafragma prejudicada, assim como o movimento costal. Diminuir o peso e o acúmulo de gordura pelo corpo ajuda a "recuperar espaços" e, no final, contribui para a respiração.
 
4. Melhora na qualidade do sono
 
Aqui temos um ciclo vicioso. Se a obesidade traz problemas para a respiração, por exemplo, ela também vai interferir na qualidade do sono, afinal, quem dorme bem respirando mal? Mas a falta de sono é apontada como uma das variáveis para o aumento do peso, já que dormir pouco mexe com hormônios ligados à saciedade e à fome. Isso impacta nas escolhas alimentares e também em todo o sistema que regula essas sensações.
 
No final, ao manter um peso saudável, há menos riscos de problemas que atrapalhem o sono e, consequentemente, menos chances de impacto nesses hormônios e risco de obesidade.
 
Como identificar o sobrepeso?
 
Tanto comentamos sobre obesidade, mas como saber se realmente há um excesso de peso preocupante? Há uma série de recursos que ajudam a indicar isso, e um deles é o IMC (Índice de Massa Corpórea). Para chegar a esse número, o peso em kg é dividido pela altura em metros ao quadrado (IMC = Peso ÷ Altura × Altura). É consenso que alguém com IMC igual ou superior a 30, seja homem ou mulher, é considerado obeso.
 
Entretanto, esse índice não descreve a ampla variação que ocorre na composição corporal de indivíduos e ainda desconsidera pontos como idade e sexo. Aí entram outros medidores, como a circunferência abdominal, que reflete melhor o conteúdo de gordura visceral que uma medida mais antiga, a relação abdômen x quadril, e também se associa muito à gordura corporal total. Uma circunferência abdominal igual ou superior a 94 cm em homens e 80 cm em mulheres representa risco cardiovascular aumentado em caucasianos, por exemplo. Essa referência muda de acordo com idade e grupos étnicos.
 
Ainda é possível fazer exames, como a bioimpedância e somatória de medidas de pregas cutâneas com um aparelho chamado adipômetro. Com isso, é possível saber, no peso de cada um, o que é gordura, água, massa magra e por aí vai.
 
Por isso começamos dizendo que a questão do peso é individual. Com todos esses recursos e avaliação médica é possível saber o peso adequado para aquele indivíduo e montar estratégias para alcançá-lo.
 
Alimentação saudável e o controle do peso
 
Para prevenir a obesidade e alcançar e manter o peso saudável, é fundamental praticar atividade física e também cuidar da alimentação. Pensando no cardápio do dia a dia, vale tomar alguns cuidados, como recomenda a Organização Pan-Americana da Saúde, que faz parte da OMS:
 
  • Ingerir uma quantidade de calorias que esteja em equilíbrio com seu gasto calórico, evitando excessos
  • Para evitar um ganho de peso não saudável, as gorduras não devem exceder 30% da ingestão calórica total
  • As gorduras saturadas devem representar menos de 10% da ingestão calórica total. O consumo de gorduras trans, por sua vez, deve ser inferior a 1% do consumo total
  • Limitar o consumo de açúcares livres para menos de 10% da ingestão calórica total
  • Manter o consumo diário de sal abaixo de 5g.
     

Fonte: Minha Vida

Categorias:

Comente esta notícia

código captcha