Sindafep Seguros

Notícias

Imagem

Lembre-se do seu coração: veja como evitar doenças cardiovasculares

O mês de setembro também é dedicado à conscientização em relação às doenças cardiovasculares

Além do Setembro Amarelo, com foco na prevenção do suicídio, o mês também traz outra iniciativa voltada para a saúde. No dia 29 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Coração, e, por isso, realiza-se também o Setembro Vermelho.

A campanha visa promover a conscientização da população em relação às doenças cardiovasculares. De acordo com o médico cardiologista Walmor Lemke, as principais doenças cardiovasculares são a hipertensão arterial sistêmica e a ateromatose coronariana (formação de placas nas artérias que levam o sangue para o músculo do coração).

Saiba mais sobre elas e saber como evitá-las:
Hipertensão
Nos casos de hipertensão, popularmente conhecida como pressão alta, o coração precisa bombear o sangue com mais força para fazer o sangue circular, devido ao fato das artérias serem mais estreitas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é responsável por 45% dos ataques cardíacos e 51% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC).

A herança genética é a maior causa de hipertensão. Em 90% dos casos ela é herdada dos pais. – Se o pai e a mãe, por exemplo, são hipertensos, a chance do filho ser hipertenso é de 50%. Neste caso, a melhor forma de prevenção é, assim que houver ciência do grupo de risco familiar, procurar um médico para fazer uma avaliação – explica o cardiologista

Outros fatores, entretanto, contribuem para a alteração dos níveis de pressão arterial:

  • Consumo excessivo de sal.
  • Tabagismo.
  • Sedentarismo e falta de atividade física.
  • Diabetes.
  • Obesidade.
  • Estresse.
  • Consumo de bebidas alcoólicas.
  • Sono inadequado.

A hipertensão de origem familiar deve ser tratada com medicamentos. Porém, tanto o tratamento quanto a prevenção devem incluir a mudança de hábitos, como uma alimentação com menos sódio, ingestão adequada de líquidos e prática de exercícios físicos.

Ateromatose coronariana ou aterosclerose coronária
Ateromatose coronariana é o acúmulo de placas de gordura, cálcio e outras substâncias nas artérias. Estes depósitos dificultam a passagem de sangue dos vasos.
Os principais riscos são infarto e derrame, quando há obstrução de uma das artérias coronárias ou cerebrais. As consequências são limitação na locomoção e convívio social, pois a pessoa passa a ter um quadro de insuficiência cardíaca, ou, no caso do derrame, limitação física e neurológica. O infarto agudo pode levar à morte súbita.

A prevenção é feita por meio de mudanças de hábitos, principalmente em relação à alimentação, ingerindo menos gorduras saturadas, de origem animal.

Quem tem doenças cardíacas pode fazer exercícios?
Segundo o médico cardiologista, quando a doença cardiovascular já está instalada, a pessoa tem uma certa limitação, não podendo fazer exercícios competitivos ou de alta performance. Entretanto, uma das principais formas de realizar o tratamento é se exercitar. Então, como fazer?

– O ideal é realizar exercícios assistidos, ou seja, com alguém acompanhando, de baixa intensidade, de maneira consistente e contínua. De acordo com a OMS, 150 minutos semanais são suficientes para a pessoa não ser considerada sedentária. Isso significa fazer 30 minutos de atividades, de preferência, aeróbicas, cinco vezes por semana.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia tem diretrizes específicas na orientação de exercício físico, de acordo com o quadro de cada paciente. O paciente que já infartou é diferente do que fez uma cirurgia cardíaca ou uma angioplastia, por exemplo, então eles devem ser orientados de maneiras diferentes.

Com base nisso, é importante receber uma orientação formal de um médico cardiologista, já que as doenças são tão diversas e em tão variados níveis que é necessário que um profissional determine qual é o tipo de exercício mais adequado.

Fonte: Mude 1 Hábito

Categorias:

Comente esta notícia

código captcha